abril 29, 2015

PPS e PSB anunciam início do processo de fusão entre os dois partidos

Fusão dos dois partidos é o fato político mais relevante, em 2015, pois cria nova alternativa para a vida política nacional.





O PPS e o PSB anunciaram, nesta quarta-feira (29), em Brasília, o início do processo de fusão das duas siglas. Tanto o deputado Roberto Freire (SP), presidente do PPS, quanto Carlos Siqueira, presidente do PSB, foram firmes ao declarar que a nova legenda, que ainda não tem nome, não será aliada do governo, mas uma nova alternativa da política nacional, contemporânea do novo e antenada com as demandas da sociedade.

A intenção das duas legendas é não tardar com os procedimentos da fusão, que deve acontecer até junho. São necessárias realizações de congressos nacionais dos partidos para aprovar a medida. A nova legenda nascerá com 45 deputados federais; oito senadores, contando com a entrada da ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy; três governadores; 92 deputados estaduais; 588 prefeitos, sendo quatro deles de capitais; 5.832 vereadores; e 792 mil filiados.

A fusão do PPS com o PSB começou a ser discutida na pré-campanha do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos à Presidência da República. “Temos muito em comum com o PSB, estivemos juntos em muitas lutas, mas esta não é uma homenagem ao passado, mas sim ao futuro, pois o Brasil atravessa uma crise grave e busca alternativas; queremos construir o novo”, disse Roberto Freire.

Carlos Siqueira adiantou que a nova sigla disputará as prefeituras de todas as capitais e de 200 cidades-polo do país. “Talvez os grandes partidos não tenham tantos bons nomes para lançar candidatos como nós temos”, salientou. Marta Suplicy foi dada como certa para disputar a prefeitura de São Paulo. “É uma das candidatas mais competitivas”, observou Siqueira. Ele foi enfático ao afirmar que desconhece a existência de uma ala governista dentro do PSB.

Ao ser questionado sobre o impeachment da presidente Dilma, Freire lembrou que o PPS ainda não tomou uma posição oficial sobre o assunto. “Pode ser uma alternativa. Não se pode dizer que se é a favor se as condições políticas não estão dadas. Nós discutiremos. Nenhuma das duas forças vai impor uma posição”, disse.

Pela frente, PPS-PSB têm o desafio de derrubar o veto da presidente à janela resultante de uma fusão, da qual vier a nascer um novo partido. A emenda prevendo essa definição é de autoria da bancada do PPS. A vitória na apreciação do veto, no entanto, não é uma condição para a fusão, conforme afirmaram os dois dirigentes partidários.

O que apressou o processo de fusão, segundo Freire, foi o fato de não haver nenhuma reforma política implantada e a premência do prazo para definição de partidos e candidatos um ano antes das eleições.

Freire disse que o que move a fusão é “termos uma história de lutas em comum, pela democracia, pela anistia, para corrigir rumos do Brasil e também uma perspectiva que precisa ser construída para um país que está pedindo um novo rumo”.

Siqueira classificou o processo de aproximação dos partidos como uma vitória da política e disse que a fusão é uma homenagem à memória de Eduardo Campos. O presidente do PSB afirmou ainda que não tem conhecimento de um pedido de aproximação do partido com o governo por parte da presidente Dilma e que não tem tido contato com o ex-presidente Lula. “Nosso compromisso é com o Brasil, que está numa situação grave. A fusão vai agregar força política capaz de oferecer uma alternativa diferente, de esquerda e democrática”, concluiu.

Além de Freire e Siqueira, também compuseram a mesa do anúncio da processo de fusão os líderes do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR); do PSB, Fernando Coelho Filho; o ex-governador do Espírito Santos Renato Casagrande (PSB) e o ex-deputado Beto Albuquerque (PSB).

Também participaram do evento deputados federais, prefeitos, dirigentes e militantes dos dois partidos.

Por:Valéria de Oliveira
Fotos: Robson Gonçalves



outubro 06, 2014

"A pesquisa certa era a do coração dos gaúchos"





"A pesquisa certa era a do coração dos gaúchos", diz Sartori ao comemorar segundo turno.


Candidato do PMDB foi o mais votado no Estado e vai enfrentar Tarso Genro (PT) na próxima etapa das Eleições


Após a confirmação de que disputaria o segundo turno com Tarso Genro (PT), José Ivo Sartori se pronunciou no comitê do PMDB em Porto Alegre, onde comemorou a surpresa de ter sido o candidato mais votado ao governo do Estado.

— Quando vi o percentual que tínhamos alcançado, eu soltei uma lágrima, porque o povo do Rio Grande do Sul é generoso — confessou o candidato.

Com 99,7% das urnas apuradas, Sartori conquistou 40,43% dos votos válidos, enquanto o petista ficou com 32,56%. Ana Amélia Lemos, do PP, ficou fora da disputa ao angariar 21,78% dos votos.


Sartori saudou seus aliados e os presidentes dos partidos coligados ao PMDB. Prestou especial homenagem ao candidato ao Senado, Pedro Simon, não eleito, pelo engajamento em sua campanha. Emocionado, chegou a virar um copo d'água. E, secando-se, não chegou a interromper o discurso:

— A população quer mudança, e esse é o nosso caminho — garantiu, ao fazer referência às manifestações de junho de 2013.

Nas pesquisas, Sartori aparecia em uma linha crescente desde o dia 26 de setembro, mas sempre em terceiro lugar, até empatar tecnicamente com Ana Amélia na última pesquisa Datafolha, divulgada este fim de semana.

— A pesquisa certa era a que estava no coração dos gaúchos, sem margem de erro — afirmou.

O candidato conferiu sua expressiva votação ao trabalho de sua equipe de campanha:

— Eles foram sensíveis, permitiram que eu fosse aquilo que sou, ninguém inventou nada. E eu vou continuar o mesmo Sartori de sempre.
Após mais de três horas de espera, finalmente a militância, que já se reunia desde as 17h, pôde festejar com Sartori a ida da coligação para o segundo turno. O candidato deixou a sala da coletiva de imprensa e foi para o caminhão de som estacionado na Avenida João Pessoa. O ex-prefeito de Caxias do Sul se mostrou confiante e pediu ajuda de seus apoiadores nas próximas semanas:

— A caminhada e o trabalho continuam.

por Bruna Scirea / Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

agosto 25, 2014

Pedro Simon será candidato ao Senado pelo Rio Grande do Sul




Pedro Simon será candidato ao Senado entrando no lugar de Beto Albuquerque


Reunião na noite deste domingo, PMDB e partidos da coligação decide pela indicação de Simon.

Em reunião na sede municipal do PMDB, em Porto Alegre, contando com a presença de representantes dos outros partidos da coligação, ficou decidido que Pedro Simon será candidato ao Senado em substituição a Beto Albuquerque, que foi alçado ao cargo de vice-presidente na chapa de Marina Silva, após a morte de Eduardo Campos em acidente aéreo.

A indicação de Simon contou com o aval do PMDB e também de partidos como o PSB, PPS e o PSD, dentre os partidos presentes na reunião.

Uma coletiva deverá ser chamada na segunda ou na terça-feira para oficializar a candidatura. Ele era considerado o proincipal nome do partido.

Nesta terça-feira, o diretório estadual do PMDB se reunirá para referendar a escolha de Simon. Também eram cotados para a disputa Germano Rigotto, José Fogaça e Ibsen Pinheiro.

agosto 13, 2014

Pronunciamento - Coligação Unidos pelo Brasil

"Não vamos desistir do Brasil."
"Não vamos desistir do Brasil." A frase, dita por Eduardo Campos na véspera do acidente que o vitimou, expressa o testemunho e o desejo de um brasileiro que pautou sua vida pelo anseio de ver a nação unida em torno de um projeto que contemple a melhoria de vida de todos os seus cidadãos. Embalava, no presente, o mesmo sonho que alimentou a trajetória de seu avô Miguel Arraes ou, como ele mesmo dizia carinhosamente, do Dr. Arraes.


Interrompeu-se hoje o caminho de um homem que acreditava na renovação da política pela força do povo brasileiro em escrever o seu destino. Morre Eduardo Henrique Accioly Campos, mas fica o seu legado de luta pelos ideais de um Brasil mais democrático, próspero, solidário, sustentável e justo socialmente.

A Coligação Unidos pelo Brasil acredita que a perda de Eduardo encerrou sua vida, mas não seus ideais. Fica a semente da esperança que move diariamente os brasileiros criativos e empreendedores, capazes de transformar em virtuoso seu duro cotidiano.

A Coligação Unidos pelo Brasil se solidariza com a dor irreparável das famílias de Eduardo Campos e de seus companheiros Pedro Valadares, Carlos Percol, Alexandre Severo Gomes da Silva, Marcelo Lyra, Geraldo da Cunha e Marcos Martins. O momento é de luto e impõe o necessário recolhimento.

Santos, 13 de agosto de 2014.

COLIGAÇÃO UNIDOS PELO BRASIL
PSB, REDE SUSTENTABILIDADE, PPS, PPL, PHS, PRP, PSL


Eduardo Campos, sua morte não será em vão. Nós não vamos desistir do Brasil.




“Não vamos desistir do Brasil. É aqui onde vamos criar nossos filhos, é aqui onde temos de criar uma sociedade mais justa. Para isso, é preciso ter a coragem de mudar, de fazer diferente, de reunir uma agenda, a agenda da escola em tempo integral para todos os brasileiros, a agenda do Passe Livre, a agenda de mais recursos para a saúde, a agenda do enfrentamento do crack, da violência. O Brasil tem jeito, vamos juntos”.

Eduardo Campos perdeu sua vida defendendo novo projeto político para o Brasil

Eduardo Campos nos deixou hoje, mas ficará o seu legado para continuarmos construindo um novo projeto político para o país. Nesta quarta-feira, antes de entrar no avião Cessna que o levaria a Santos, Eduardo Campos estava animado com a campanha e convencido de que havia ganhado pontos com a entrevista que dera na véspera em emissora de TV. Com a animação de sempre, destacou na sua despedida: "Não desistam do Brasil!", proclamou ele, antes de pedir o voto aos telespectadores. 

Eduardo Campos, esteve em Porto Alegre várias vezes nos últimos meses e o PPS - Partido Popular Socialista esteve sempre com ele. Aqui um registro de seu discurso emocionante sobre as diretrizes programáticas da Aliança PSB-REDE-PPS que está sendo discutido neste processo eleitoral, com a sociedade brasileira.

"Nós não vamos desistir do Brasil, Eduardo Campos."


julho 30, 2014

Caminhada com Eduardo Campos, Marina Silva, Sartori, Beto Albuquerque e Cairoli, dia 31 de julho


Venha caminhar com Eduardo Campos, Marina Silva, Sartori, Beto Albuquerque e Cairoli pela Rua da Praia, no dia 31 de julho.

Concentração às 11h 45min, na Esquina da Praça da Alfândega para a Caminhada pelo Calçadão da Rua da Praia com a militância da coligação e Candidatos majoritários do RS


Inauguração do Comitê Central Eduardo e Marina, Sartori e Beto


Quinta-feira, dia 31 de julho você é nosso convidado para a Inauguração do Comitê Central Eduardo e Marina, Sartori e Beto

O horário é às 18:30h, ali na Avenida Padre Cacique, antigo bar da Brahma.

 #Sartori15 #Beto400 #Eduardo40

julho 26, 2014

Mobilização para mudar o Rio Grande continua em Porto Alegre e interior

Sartori e Beto Albuquerque em Caxias do Sul

Neste sábado, José Ivo Sartori esteve em Caxias do Sul, cidade que foi prefeito por dois mandatos e que cuidou com muito carinho.


Em Porto Alegre, no domingo, 27 de julho, a atividade continua a partir das 10 horas nos seguintes pontos:

- Redenção (box 8)

- Rua Coronel Massot entre Wenceslau Escobar e Camaquã (Feira Livre)

Pegue a bandeira, o chimarrão e a disposição de mudar o Rio Grande e vamos para rua!

 #VemComSartori #Sartori15 #GringoQueFaz #BetoSenador400

julho 25, 2014

Mobilização da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande em Porto Alegre

Mobilização em Porto Alegre prossegue no final de semana com Sartori

Mobilização da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande, continua no final de semana com #Sartori15 e #Beto400.  Na manhã desse sábado, 26 de junho, em Porto Alegre, venha com a gente. Estaremos em diferentes pontos da cidade:

- Parque da Redenção

- Rótula do Papa (na Feira Livre)

- Viaduto Dom Pedro I (José de Alencar com Praia de Belas)

- Gasômetro

- Parque Marinha do Brasil (Borges de Medeiros com Ipiranga)

- Largo Zumbi dos Palmares (na Feira Livre)




 #NossopartidoéoRioGrande

Final de semana de mobilização por #Sartori15

Sartori,  na 30ª Festa do Colono, em Nova Petrópolis

A campanha de José Ivo Sartori não para de crescer. Cerca de 400 pessoas estiveram com o candidato da coligação O Novo Caminho para o Rio Grande para o governo do Estado na 30ª Festa do Colono, no distrito de 9 Colônias em Nova Petrópolis.

“Estes homens e estas mulheres representam a força trabalhadora do campo, que garante o alimento que chega à mesa de todos nós. Por isso, são merecedores do melhor reconhecimento e também do apoio incondicional do Estado para que tenham as condições que precisam para manter o seu trabalho e dele obter o sustento de suas famílias, sem ter que abandonar as suas origens”, disse Sartori. Ainda na Serra, o candidato se reuniu com lideranças da coligação para mobilizar os eleitores rumo ao Palácio Piratini.

Sartori, o #GringoQueFaz participa também de uma caminhada em Guaíba para conhecer as demandas da população e de um jantar em Eldorado do Sul. Na manhã deste sábado, o candidato  estará em São Sebastião do Caí, no Vale do Caí.